www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Economia
26/01/2022 - 20:35
Com previsão de gerar 30 mil vagas, implantação de novas ferrovias de MS deve começar até 2024
Foto: Saul Schramm
Pelo menos 30 mil empregos devem ser gerados com a implantação das duas ferrovias já autorizadas em Mato Grosso do Sul dentro do Ministério da Infraestrutura (Minfra). Os projetos se referem a Nova Ferroeste, que vai ligar Maracaju a Dourados, com 76 km; e para a Eldorado Brasil Celulose, de 89 km, que construirá uma ferrovia entre Três Lagoas e Aparecida do Taboado, orçada em R$ 890 milhões. Juntos, somente estes dois empreendimentos logísticos terão investimentos próximos de R$ 5 bilhões e a previsão é de que as obras comecem entre 2023 e 2024.
 
De acordo com o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Produção, Desenvolvimento Econômico e Agricultura Familiar), as perspectivas são bastante animadoras, pois um dos ganhos com as ferrovias do Mato Grosso do Sul, através das leis e autorizações, é a garantia de quase R$ 5 bilhões de investimentos.
 
"São praticamente R$ 1 bilhão, somente no trecho de Três Lagoas a Aparecida do Taboado. Já nos 345km do trecho sul-mato-grossense da Nova Ferroeste, que vai de Maracaju até Mundo Novo, são mais de R$ 4 bilhões, totalizando assim, R$ 5 bilhões a serem investidos nos próximos anos no Mato Grosso do Sul", informa Jaime Verruck.
 
O titular da Semagro destaca ainda a ampla geração de empregos prevista com as duas obras. "Temos a perspectiva sobre a geração de emprego direto e indireto podendo superar mais de 30 mil vagas. Este é o grande ponto de desenvolvimento e geração de emprego que as ferrovias poderão trazer ao Estado", acrescentou Verruck.
 
Novos investimentos já têm garantias
 
A malha ferroviária autorizada pelo governo federal a pedido da Eldorado Brasil Celulose, trata-se de um investimento privado, já contemplado no plano de negócios da empresa. O trecho previsto é de 89 km de ferrovia nova, a ser construída para o transporte da celulose produzida na fábrica.
“Eles farão o aporte. É uma malha nova privada que será construída do zero, com investimento previsto de R$ 890 milhões, podendo chegar a R$ 1 bilhão. A empresa já iniciou as tratativas junto ao Ministério da Infraestrutura e espera-se que em pouco tempo sejam homologados os termos de regulamentação sobre o funcionamento e os prazos”, lembra o assessor de logística da Semagro, Lúcio Lagemann.
 
No caso da Nova Ferroeste, os investimentos necessários para a construção da ferrovia serão viabilizados por meio de leilão na Bolsa de Valores (B3). Todos os passos necessários para a oferta do projeto a grupos e fundos de investimentos nacionais e internacionais já foram dados pelos governos de Mato Grosso do Sul e do Paraná. O mais recente, de acordo com Lagemann, foi a entrega do EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental), da ferrovia ao Ibama.
 
“Agora nós vamos começar a marcar as audiências públicas nos municípios da área de influência da ferrovia. Então assim, aqui no Mato Grosso do Sul a gente deve ter até duas audiências públicas. Mas ainda não foram determinados os locais, nem sobre a questão do impacto ambiental. Esse mesmo rito também vai se aplicar depois na questão da Eldorado", explica o assessor Logístico da Semagro.
 
Somente no primeiro trecho já autorizado da Nova Ferroeste, de 76 km, ligando Dourados a Maracaju, os investimentos superam R$ 1,2 bilhão. Lagemann ressalta, no entanto, que essa nova malha terá 345 km, passando por 8 municípios do Estado. “É um trecho bem longo de ferrovia e que vai permitir o escoamento de uma série de produtos de importância econômica para a cadeia produtiva estadual", concluiu.
 
Para o titular da Semagro, a reativação da malha ferroviária estadual é uma realidade já que as obras já estão protocoladas no Minfra. “Esse foi um grande avanço do marco legal das ferrovias, desregulamentando e criando novas possibilidades de investimentos privados. Foi um trabalho intenso que nós fizemos junto ao Congresso Nacional, junto a ministra Tereza, ao ministro da infraestrutura e que culminou com o novo marco regulatório do Brasil”, finaliza Jaime Verruck.
 
Rosana Siqueira, Semagro
 
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Entrevista para visto americano pode demorar até 10 meses em SP após reabertura
    
   
Douglas de Oliveira
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS