www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
05/10/2021 - 17:09
Pacheco fala em compromisso do Congresso com reforma tributária, mas não estipula prazo para votar
Foto: Reprodução
G1
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta terça-feira (5) que o Congresso tem 'compromisso' com a reforma tributária, no entanto, o parlamentar não definiu um calendário para análise da proposta, nem assegurou a votação do texto ainda neste ano.
 
Nesta terça-feira (5), o relator da reforma que trata da tributação sobre o consumo no Senado, Roberto Rocha (PSDB-MA), apresentou seu parecer que, entre outros pontos, propõe a criação de um imposto único e de uma taxa que incidiria sobre álcool e cigarro. Além desta proposta, tramitam no Congresso outros projetos de reforma tributária, entre eles, a reforma do Imposto de Renda (veja mais abaixo).
 
"Esse Congresso que tem ao longo desses anos trabalhado muito nessas reformas tem o compromisso, nessa toada histórica, com a tributária. Nós precisamos entregar para a sociedade brasileira um novo modelo de sistema tributário", afirmou o presidente do Senado.
 
Questionado sobre a definição de um calendário para a votação da PEC, Pacheco explicou que o texto será analisado primeiramente pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, na sequência, pelo plenário do Senado, mas não estipulou prazo.
 
"Tenho convicção de que, na CCJ, nós conseguiremos avançar e, quando vier ao plenário, evidentemente há o meu compromisso de pautar a PEC 110 no plenário", disse o presidente do Senado.
 
Pacheco também afirmou que o sistema tributário é "muito complexo, muito burocrático, difícil de compreender, afugenta investidores".
 
"Todos entendem que o sistema tributário não é bom, que precisa ser modificado, que é muito complexo, muito burocrático, difícil de compreender, afugenta investidores. E nós precisamos apresentar uma proposta de alteração disso e isso que vai ao encontro da PEC 110 [da Reforma Tributária]", afirmou o senador.
 
Parecer favorável
Nesta terça-feira (5), o relator da reforma, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), entregou seu parecer favorável à aprovação da Proposta de Emenda Constitucional que propõe a criação de um Imposto sobre Operações com Bens e Serviços.
 
O assunto foi debatido durante reunião entre Rocha, Pacheco, representantes de estados e municípios e o ministro da Economia, Paulo Guedes.
 
No relatório que entregou, Roberto Rocha propôs a criação do chamado "IVA dual". Segundo a proposta, o governo federal deveria unificar dois tributos de sua competência (PIS e Cofins) na chamada Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS). E os estados e municípios teriam um imposto separado, resultado da unificação do ICMS (estadual) e ISS (municipal).
 
No IVA dual, a União teria competência para ter um IVA Federal de forma autônoma, com legislação e administração independentes, enquanto estados e municípios teriam gestão compartilhada para adotar o outro imposto sobre valor agregado.
 
O relator afirmou também que as alíquotas e as regras mais específicas de incidência seriam definidas por meio de lei complementar, após a aprovação da PEC.
 
Nesse sentido, Rocha avaliou que depois da PEC o Congresso ainda precisaria aprovar o projeto enviado pelo governo federal no ano passado para unificar o PIS e a Cofins e criar a CBS. Desde setembro de 2020, o texto aguarda análise de uma comissão especial na Câmara dos Deputados, que ainda não foi constituída.
 
Para além da lei da CBS, o Congresso também teria que aprovar uma lei complementar para regulamentar o IBS - o IVA dos estados e municípios.
 
Sem entrar em detalhes, Rocha afirmou que o projeto cria uma "trava constitucional" para impedir que a carga tributária aumente no novo sistema.
 
Capitais se opõem
Os presidentes da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Roberto Ziulkoski, e do Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz), Rafael Fonteles, declararam apoio à PEC 110 na cerimônia no Senado.
 
Entretanto, a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) vem se posicionando contra o texto desde o ano passado.
 
As capitais avaliam que a arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS) vem crescendo com a digitalização da economia, ao passo que as bases de incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) vêm diminuindo nos últimos anos. Nesse sentido, as capitais não querem ter que dividir essas receitas crescentes com os estados.
 
Atualmente, o ISS é de competência exclusiva dos municípios -- ou seja, cada cidade tem sua legislação e as prefeituras são responsáveis por sua cobrança.
 
Caso o ISS seja unificado ao ICMS para formar um IVA de estados e municípios, o controle sobre o tributo seria compartilhado pelos dois entes federativos.
 
Imposto sobre álcool e cigarro
À semelhança da função exercida hoje pelo Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a PEC 110 também cria um imposto para ser cobrado especificamente sobre álcool, cigarros e outros bens com externalidades negativas -- isto é, que causam prejuízos à saúde e ao meio ambiente e geram custos adicionais sobre o sistema público.
 
O chamado Imposto Seletivo (IS) seria criado com finalidade principalmente extrafiscal -- isso quer dizer que o objetivo principal do IS é desestimular o consumo desses bens, de forma que a arrecadação gerada pelo tributo seria um benefício secundário.
 
A PEC institui o Imposto Seletivo inicialmente sobre bebidas alcoólicas e derivados do tabaco, mas outros produtos poderiam ser onerados posteriormente por meio de lei complementar, desde que haja prejuízos à saúde e ao meio ambiente.
 
Pela proposta, o imposto seria cobrado sobre a produção, importação ou comercialização desses bens. As exportações, entretanto, seriam desoneradas.
 
Outras propostas de reforma tributária
Além da PEC 110 e do projeto da CBS, tramitam no Congresso mais duas propostas de reforma tributária: a reforma do Imposto de Renda e a PEC 45. Também está em análise uma proposta para criar um "Refis da Covid", programa de parcelamento de dívidas tributárias.
 
A reforma do Imposto de Renda, que amplia a faixa de isenção das pessoas físicas, reajusta a tabela de incidência e retoma a taxação de lucros e dividendos, foi aprovada pela Câmara em setembro. O texto agora tramita no Senado, sob a relatoria do senador Angelo Coronel (PSD-BA).
 
Quando enviou a reforma do IR, o governo federal apontou a receita gerada pela tributação de lucros e dividendos como a compensação necessária para ampliar o Bolsa Família sem descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Pelas regras de incidência do IR, para as novas regras entrarem em vigor em 2022 o texto precisa ser aprovado ainda esse ano.
 
Já a PEC 45, que foi apadrinhada pelo ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Sem partido-RJ), unifica PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS para criar um único IVA incidente sobre bens e serviços.
 
O texto de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) foi elaborado pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), liderado pelo economista Bernard Appy, e chegou a ter o apoio dos secretários estaduais de Fazenda. Porém, após a troca do comando da Câmara a PEC 45 não avançou.
 
O Refis da Covid, por sua vez, foi aprovado pelo Senado em agosto e está em análise na Câmara. O programa permite o parcelamento de dívidas fiscais de pessoas e empresas em até 144 mensalida
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Alta da gasolina pesa, e inflação oficial fica em 0,87% em agosto, maior taxa para o mês desde 2000
    
   
Paulo Corrêa, presidente da Assembleia Legislativa
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS