www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Economia
17/08/2019 - 06:45
Empréstimo da casa própria corrigido pela inflação tem risco; entenda
Foto: Reprodução
G1
Os financiamentos imobiliários tomados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) terão uma nova opção de contrato: as parcelas poderão ser corrigidas pela inflação. A resolução que autoriza os bancos a oferecerem esse tipo de crédito foi aprovada nesta quarta-feira (14).
 
De acordo com o Banco Central, além de ampliar as modalidades de financiamento imobiliário oferecidas, a medida vai possibilitar "o aumento da concorrência entre os agentes financeiros e a redução das taxas de juros".
 
Hoje, em geral, os contratos de financiamento imobiliário têm um juro pré-fixado e são corrigidos também pela Taxa Referencial (TR), que atualmente está zerada.
 
Segundo o presidente da Caixa – que deve lançar a modalidade na próxima semana – o novo financiamento vai trazer mais transparência ao tomador do crédito, uma vez que a TR "é um indicador que ninguém sabe".
 
Mas especialistas consultados pelo G1 alertam para riscos para o consumidor e dizem que é preciso cuidado antes de optar por essa modalidade. O principal risco é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA, índice que apura a inflação no país) subir, o que consequentemente vai aumentar o custo do financiamento.
 
Além disso, contratos imobiliários costumam ser de longo prazo, o que exige uma conjuntura macroeconômica estável por um bom período de tempo. Nos últimos anos, no entanto, esse não tem sido o cenário percorrido pelo Brasil. Em 2015, na esteira da crise econômica, o IPCA foi de 10,67%.
 
"Se uma pessoa não se preocupava com inflação, vai ter de começar a olhar esse indicador", afirma o gerente de crédito da fintech Bcredi, Samir Reis.
"Quanto melhor a situação da inflação, mas vantajoso vai ficar para o cliente, mas há sempre o risco de qualquer movimento para pior da inflação", afirma o diretor executivo da Bari Promotora, Luiz Pedro Albornoz.
 
Neste ano, a expectativa dos analistas consultados pelo relatório Focus, do Banco Central é de que o IPCA fique em 3,76%. Em 2020, deve subir para 3,90%, e voltar a 3,75% em 2021.
 
Mais recursos para o setor
 
Para Daniele Akamine, diretora da Akamines Negócios Imobiliários, a modalidade tem uma única vantagem. A mudança de indexador dos contratos de financiamentos aproxima de práticas mais modernas do mercado de capital e pode aumentar os recursos disponíveis para financiar o setor.
 
"Vai ter um título com mais interesse em ser negociado porque vai remunerar melhor o investidor. O banco vai poder emitir um Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) lastreado ao financiamento", afirma Daniele.
 
Se os recursos de fato aumentarem, o setor pode ficar menos dependente do dinheiro da poupança – que, atualmente, são responsáveis por financiar boa parte do sistema imobiliário do Brasil. Nos últimos anos, com a queda dos juros, a poupança se tornou um investimento cada vez menos atrativo e, portanto, atraiu menos aportes. Ela rende hoje 70% da taxa Selic, que está em 6% ao ano.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Reforma da Previdência:
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS